Música 2008

11Jan09

Música 2008:

Caralho, que ano!

A grande maioria das bandas que eu amo lançaram discos novos. E, com o carro, eu voltei a comprar CDs, o que significa que eu gastei mais do que nunca com música.

Todo mundo publicou lista de melhores álbuns de 2008. Eu adoro as listas, mas uma coisa me incomodou profundamente: esta história de crítica em massa ao disco de Cold War Kids – Loyalty to Loyalty. Meu, o disco é perfeito, foi um dos melhores shows que eu fui este ano. Foi no Prospect Park e eu poderia me apaixonar por qualquer pessoa que olhasse para mim durante aquele show. Tanto que o primeiro ingresso para ver banda ao vivo este ano é para ver Cold War Kids. As letras das músicas supergays, adoro quando Nathan Willett canta como mulher [“Earthquakes in your pijamas hurddled in doorways while your houses sway”]. Genial. Amo. A banda é poderosa, tem músicas que são extremamente emocionantes e o povo mete o pau?! Really? Pau no cú de todo mundo. Na minha lista Loyalty to Loyalty vem em primeiro lugar, só de raiva.

Outra coisa marvilhosa foi Arcade Fire lançar Miroir Noir. Cara, sabe quanto tempo que eu esperava por um DVD da banda? Forever! O filme é a coisa mais linda, uma coleção de vídeos conhecidos da banda (aquele em que eles tocam dentro do elevador está lá) + making of do disco Neon Bible + partes dos shows, incluindo dois shows que eu vi em 2006 = perfeição. O esquema de mostrar a linha Neon Bible que eles criaram, as ligações das pessoas, foi incrível. Meu, eu tenho uma coleção de DVD de banda e nenhum é tão, tão legal quanto este. Então, mesmo não sendo um disco, entra na minha lista de melhores discos de 2008.

The National – Boxer vai ficar com o terceiro lugar. Ok, it’s not a 2008 album, but rulled 2008 for me. Lembro de ter visto The National abrir para Arcade Fire em 2006 e me apaixonar pela banda mas, só este ano eu tirei o tempo para escutar Boxer. Escutar todos os dias, a banda se tornou minha vida por meses. Até eu ir no show que eles fizeram para a festa de 40 anos da New York Magazine e [insert orgasmos múltiplos aqui] morri. Lindo. As fotos ficaram perfeitas, as luzes são lindas e a voz do Matt Berninger.

Little Joy ganha o quarto lugar. Foi emocionante ver o show da banda naquele bar pequenino na praia em NJ. O som é incrível e, caralho, como é bom escutar alguma coisa que é do Brasil. A música que o Amarante canta em Português é uma das preferidas, com certeza. Comprei o CD no dia e escuto sem parar. Isso leva a outro disco que é muito bom e que o Amarante também é perte que é Surfing, do Megapuss. A música do pato é hilária, puta projeto gostoso (sem contar os integrantes…).

Day and Age do The Killers. Vamos lá: what’s the fuck with all the fuss about this album? Sério. Eu adoro The Killers, eu acho que o disco é legal, tenho escutado constantemente. Mas, liderar a grande maioria das listas de todas as revistas conceituadas de música é demais. Eu não acho que Day and Age é melhor que nenhum dos outros ábuns anteriores. Ok. Mentira. Eu não consigo escutar Sawdust. Mas, ou outros dois são muito melhores que Day and Age. Sem discussão.

Kings of Leon lançou Only by the Night este ano. O álbum virou uma febre por algum tempo e depois desapareceu. O importante é que o disco é extremamente sexy, o vídeo deste single é hot e, o show dos caras durante o festival All Points West foi delicioso e eu continuo sonhando em me casar com Caleb Followill.

Aí vem Death Cab for Cutie com o disco Narrow Stairs, um single de quase nove minutos e o resto do disco bem fraco. Ainda assim é uma das bandas que mais me emociona. I Will Poss Your Heart tem um vídeo que segue a onda dos vídeos anteriores da banda, com aquele tom de solidão que até dói assistir.

Lenka lançou um álbum este ano. A música The Show, que começou a aparecer nos comerciais da Old Navy – depois do re-branding podre da loja – pegou e no final das contas a mocinha australiana virou moda por aqui. Ela entra para a minha coleção de música para mulher, do lado de Ingrid Michaelson (que também lançou Be Ok este ano) e Kate Nash com Made of Bricks. Kate Nash é minha favorita ao lado de Florence and the Machine.

Kaiser Chiefs lançou Off with their Heads e como é um disco difícil de se acostumar. Achei fraco, chato e complicado. Amo a banda, acho superdivertida, deliciosa para dançar, mas Off with their Heads deixa muitooo a desejar. O que me leva a outros discos deste ano que me decepcionaram super: Snow Patrol – A Hundred Million Suns, Conor Oberst – Conor Oberst e Ryan Adams and the Cardinals.

2008 em música:
1- Loyalty to Loyalty – Cold War Kids
2- Miroir Noir – Arcade Fire
3- The National – Boxer
4- Little Joy – Little Joy
5- Megapuss – Surfing
6- The Killers – Day and Age
7- Kings of Leon – Only by the Night
8- Death Cab for Cutie – Narrow Stairs
9- Lenka – Lenka
10 – Kate Nash – Made of Bricks
11- Florence and the Machine
12- Ingrid Michaelson – Be Ok



No Responses Yet to “Música 2008”

  1. Leave a Comment

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: