This is the day that I die

24Aug06

O que é que tem de tão sexy na voz e sotaque do Jason Statham? Ao escrever um texto sobre Crank, eu assisti e reassisti o trailher do filme, só para ficar escutando ele me dizer “This is the day that I die”.

Lógico que, depois de “London”, eu só consigo enxergar o cara como o maior impotente do planeta, então minha tara por ele pára no sotaque/voz. Enfim, Crank é um destes filmes com uma puta de uma edição de imagens do inferno, que você vê e pensa que é p Guy Ritchie dando sequência a “Snatch” ou Lock, Stock and Two Smoking Barrels”. Nào é. Os diretores são Marc Neveldine e Brian Taylor.

Snakes on a Plane
Depois da onda “Snakes on a Plane” que eu criei na redação, eu acabei indo assistir o filme, na data de estréia com a Mychelle. Tratei de deixar a menina bêbada antes de entrar para a sala de cinema.

Foi um acontecimento. Salas lotadas, antes mesmo de Samuel L. Jackson aparecer na tela, enquanto os créditos passavam e o nome do ator durgiu, o pessoal levantou, aplaudiu, gritou, pulou. Uma coisa!

Mychelle se divertiu muito. E eu também. O negócio é tão trash que dá para rolar de gargalhar do início ao fim. Até a visão das crobras, à-la-Predator, aparece. Podre total. As mortes são bem no estilo “Final Destination” mesmo, seguindo a linga do diretor.

No final, uma porção de sustos e dor na barriga de tanto rir. Do lado da My tinha um moço que a cada picada de cada cobra nos personagens ele dava um pulo na cadeira ecolocava a mão sob a parte do corpo correspondente. Ex., se alguém levava uma picada no pescoço, ele colocava a mão no pescoço dele.

Fico imaginando que tipo de mulher que namora um cara destes. Eu sou mais macho que ele, porra!

Prison Break
A segunda temporada de Prison Break começou na segunda (na verdade eu estou tão perdida no tempo que nem sei que dia é hoje). Juntei o pessoal em casa e fomos assistir.

Não sei se eu é que não estou no clima ou se o episódio foi bosta mesmo. Na minha cabeça não faz o mínimo sentido uma série chamada Prision Break continuar depois que os bandidos escapam da cadeia.

Enfim, é um corre corre sem fim, a Verônica é morta no primeiro episódio e aquele creep de “Invasion”(William Fichtner) fará parte do elenco, como um investigador espertinho que acaba criando um hobby, bater o pensamento do Scofield, chegar na frente e pegar os ex-cons.

[Falando em Invasion, o Rômulo me liga hoje para contar que alugou o primeiro disco de Invasion, super proud, achando o maior feito, e eu digo, “Invasion é uma bosta, e o segundo ano foi cancelado”. Tadinho]

Vanished
Caralho, a Fox já colocou Vanished no ar, no horário seguindo Prison Break. O ponto principal de assistir ao seriado é o maravilhoso do Gale Harold. Eu pareço ter 15 anos? Pois é. Maravilhoso! Tá vendo, cancelam Queer as Folk e ele volta como agente do FBI.

O que eu senti da série é que se trata de mais uma daquelas histórias que nada é o que parece ser, e que sempre tem algo mais para ser descoberto. Na história, a esposa de um senador americano desaparece e, claro, o pessoal tenta encontrar a mulher.

Dã.

Enquanto isso, eles descobrem que ela já mudou de nome algumas vezes, já desapareceu 12 anos atrás, e se encontrar com a ex-mulher do senador (a qual deveria estar na Europa).

Não sei, não sei…

Heroes
Eu, e mais meio mundo, baixei o primeiro episódio de Heroes, que deve estreiar mês que vem na NBC. Aquela menina que tem uma regeneração rápida, com as costelas aperecendo creeps me out.

Parece que vai pegar.

Cansada
Caralho, eu tô muito cansada. Faz mais de 1 mês que eu trabalho, chego em casa e trabalho mais ainda no meu processo da imigração. Enquanto não entregar este troço eu não vou ter sucesso. Isso tem tomado meu sono, noites, finais de semana e cabelos (eles não param de cair).

Eu sinto dor no corpo todo, não tenho tempo pra falar com minha mãe no tel, quanto mais fazer alguma coisa decente da minha vida. Ao chegar no jornal esta manhã, super-cedo, eu e o Carlos nos olhamos e começamos a rir e tirar sarro da nossa movimentada vida social.

E eu ainda tenho que arrumar tempo para assitir série/filme.



2 Responses to “This is the day that I die”

  1. 1 Gra

    Metida como sou ca estou!

    Eu adoro o sotaque do Jason Statham tambem, nao eh defeito soh seu nao!

    Prision Break foi beeem meia boca mesmo, mas mesmo assim o Scofield vale a pena!

    E eu me dei ao trablho de deixar um recado tao tiete soh falando de homens que estou tendo second thoughts se vou mandar isso pra voce ou nao…!

    Ah cara que se foda! Vai assim mesmo!

    Beijo Van!!!!

  2. 2 D@nihttp://tudo-novo.blogspot.com

    A Verônica morre em Prision Break????? Ué, mas eu não vi isso acontecendo.

    By the way, nice to meet you!


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: