Freaks come out at night

26Aug05

Somos sete hoje. Mas um ano atrás, era somente eu. E como eu desejei encontrar estas pessoas… Estas seis pessoas que cruzaram as portas do QXT comigo. Temos todos o mesmo perfil: somos crianças de vinte-e-poucos anos que largaram o Brasil e se mudaram para NY. Absolutamente sozinhos. Sofremos sozinhos. Uns mais, outros menos, mas ainda assim, no nosso olhar, existe aquele brilho perdido de quem já se fodeu muito.

E é só necessário um olhar, para nos entendermos. Nossas dores são as mesmas, mas mais forte do que isso foi uma paixão que nos uniu: ROCK. Um grupo que se juntou por amor à música. Nós dividimos inúmeros interesses comuns, mas o amor ao rock é o mais forte deles.

Se você esbarrasse conosco por aí, talvez colocaria uma porção de rótulos em cima da gente. “Ow, they are a bunch of indie-punk kids.” Não. escutamos coisas completamente diferentes. Eu e o Léo Carioca escutamos muito inde-rock e clássicos (Keane, Arcade Fire, Killers), enquanto o Léo Paulista escuta rock mais pesado, algo de metal (System of a Down, My Chemical Romance). A Amanda sempre vota para rock misturado com eletrônica (Bloc Party, Rapture, Fisherspooner), e o Arthur é o cara que conhece tudo, e sempre indica as músicas mais engraçadas (Kung Fu – que banda é aquilo?). Já o Tiago e a Vivi são os que eu conheço menos, mas que se balançaram comigo na pista de dança, sem parar.

A troca é impagável. Chegar na casa dos meninos e encontrar o Léo C. sentado no computador, escutando eletronic-rock (Apollo Four Fourty e Benny Benassi), é de animar qualquer um. Você começa a pular sem parar e já sai de casa completamente suada. Com este pessoal eu sempre tenho que andar com um caderninho, anotando tudo que é fantástico e que eu tenho que escutar. Ou roubar o i-Pod da Amanda e descobrir tudo de bom que tem alí. É informação a cada segundo.

Quando entramos no QXT, eu senti uma coisa que eu nunca tinha sentido por estas bandas: este é meu povo! Não tirei foto dos tipos góticos, ou sado-masoquistas que estavam lá. Sem dúvida nenhuma, nós somos o grupo mais normal que frequenta o melhor bar que eu já fui na vida. Mas me preocupei em registrar este nosso momento (mais de 200 fotos e quatro vídeos hilários comprovam isto). Um puta grupo, do qual eu tenho orgulho de fazer parte.

Push me , and than just touch me
so i can get my
satisfaction

Satisfaction – Benny Benassi

***

A banda que toca Kung Fu é Guttermouth. E ainda Lipstick é hilária, música de vagabundo. Fun, fun, fun.

* update com a ajuda do Léo P.

***

Image hosted by Photobucket.com
Image hosted by Photobucket.com



No Responses Yet to “Freaks come out at night”

  1. Leave a Comment

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: